PARTILHA DA AMPLIADA NACIONAL

Destaque

ACERVO PESSOAL GABRIELA STEPHANIE“É preciso mudar muito para permanecer a mesma”

          São mulheres, não eram apenas elas, mas tinha nome, Maria e Maria Madalena, estas se atentaram, escutaram o anjo que anuncia a Ressurreição de Cristo. E ele fala para elas voltarem a Galileia, e anunciar que Cristo ressurgiu. Se atentar onde Deus se manifesta e onde ele é negado, é pensar como construir e se reconstruir na Galileia não é algo fácil exige que a gente se entregue aos mistérios da fé da vida. A morte de Jesus trouxe muitas inseguranças, porém quando ele ressurge seu primeiro pedido é do cuidado, o de voltar para casa, mas estar preparado para sair em missão e encontrar as diversas realidades. Pisar no solo sagrado da Chapada do Araripe, foi olhar para essas diversidades das Galileia e me reconhecer enquanto Galileia.

            Acreditem esse processo é como retirar as camadas da cebola mexe com nossas profundezas, com os nossos mistérios desconhecidos por nós mesmo. Voltar e rezar o texto de (Mt 28, 1-8) foi olhar para o muro entre a vida e a morte, foi revisar quais os muros que construo em mim e não consigo ir, ou perceber que as vezes estamos paralisados como os guardas que têm medo e ficamos como mortos. Mas quando volto para as minhas Galileia e tomo dimensão desses medos, é o momento de ir, e compreender que não dá “para encaixar quadrado na bolinha”, E que não é o fim da história quando vamos ao túmulo, mas é o momento de retomar nosso referencial utópico para fazer florescer o Reino diante da Ressurreição.

Na caminhada “há temores e alegria” (Mt 28,8) junto, pois, pensar o caminho é pensar a Galileia, é olhar para a gente e para as/os nossas(os) e entender odesafio a partir de uma nova perspectiva, não aquela já conhecida. Jesus a encoraja para a missão de se colocar a caminho, a tornar os invisíveis visíveis. É diante dessa inquietação de ser e reconhecer a Galileia que eu resisto e acredito que mesmo na seca tão forte, no chão mais batido, no cacto espinhoso sempre há de brotar uma flor.

            Assim como Maria Madalena, carrego alegrias e temores desses dias vivênciados e o que eles ainda reverberam em mim. Mas das poucas certezas que tenho, aprendi que o amor da luta, assim como o amor de Cristo pela construção do Reino é mais forte do que aquilo que nos impede de caminhar. Pois precisamos romper as barreiras de uma sociedade que foi construída a partir de uma áurea moralizante em que, o(a) outro(a) é inimigo(a) e não há alteridade, pois estamos inseridos numa lógica de Estado de Guerra que permeia as condutas e subjectividades alheias, nós somos filhos dessa moralidade.

          A subida ao Horto do Padim Cícero, final de tarde, o sol se pondo, foi nessa mística que as terras do Cariri me proporcionaram, olhar para esse Cristo Libertador que não dita dogmas, mas se mostra tão humano que se torna divino no decorrer do seu caminho e que ele vai se construindo a partir das relações com a/o outra(o). E foi na descida do Horto que reafirmei e ressignifico em minhas palavras o que o final do capítulo 2, versículo 10 da Carta aos Gálatas, a afirmação e opção pelos pobres, não está num nível de optar, pois não é opção é compromisso, se negamos isso deixamos de ser cristãs e cristãos. Uma Igreja que não opta pelos pobres não é a Igreja de Jesus.

          A Pastoral da Juventude ao escolher a partir de muito diálogo, conflitos, escuta, reza escolheu suas 5 prioridades baseada na Cristologia da libertação, num Cristo que não legítima a opressão, mas apoia a libertação de todas e todos. E é nessa proposição diante das adversidades, conflitos, desafios que a Pastoral da Juventude caminha e se propôs/propõem a ir as diversas Galileia, é lá onde estão os pobres, mas também se converter as Galileia, e esse é um convite que cabe a nós acolhe-lo. E mesmo diante de tantas dores, dilemas e angústias, há muita esperança, pão e celebração da vida nas nossas Galileia.
Trago das terras do Cariri “o sonho, esperança para alimentar quem quer resistir; é gente amiga, homem e mulher” e sei que juntas e juntos diante dessas novas prioridades, mas com o referencial de nos colocar a caminho com o referencial utópico no peito e que sem amor, tesão não há revolução. E se nessa caminhada nos ferirmos, escutemos Madalena que nos chama a voltar para a Galileia, “dos nossos afetos, nos abraçar, nos beijar, aconchegar, ungir nossos corpos as vezes desfalecidos com o óleo do toque carinhoso, do abraço apertado” (Couto, pag 18). Sintam-se abraçados e ungidos com o óleo do carinho e agradecimento de dias tão fortes e bonitos que me fizeram flor onde havia cactos.

 Por Gabriela Sthepanhie
Membro da Coordenação Arquidiocesesa 

CARTAZ OFICIAL DA AMPLIADA NACIONAL

Destaque

“Eu sou de uma terra que o povo padece
Mas nunca esmorece, procura vencê,
Da terra adorada, que a bela caboca
De riso na boca zomba no sofrê.

Não nego meu sangue, não nego meu nome,
Olho para fome e pergunto: o que há?
Eu sou brasilêro fio do Nordeste,
Sou cabra da peste, sou do Ceará.”

(Sou cabra da peste)

A Pastoral da Juventude tem a felicidade de apresentar o CARTAZ OFICIAL da nossa linda ANPJ que acontecerá em janeiro de 2017, na Diocese de Crato/CE. O cartaz é inspirado na arte em xilogravura e traz elementos da região. Logo mais divulgaremos a explicação destes.

‪#‎SerTãoPJ‬ ‪#‎PJeuAcredito‬ ‪#‎ANPJCrato‬ ‪#‎ANPJ2017‬

 

 

 

CARTAZ ANPJ

 

FONTE: Pastoral da Juventude Nacional 

ENCONTRO DE JUVENTUDES E ESPIRITUALIDADE LIBERTADORA

Destaque

FILE_FA2119-599DB4-A56948-287EEC-18C7B6-10E799          Já estão abertas as inscrições para o Encontro de Juventudes e Espiritualidade Libertadora da região Sudeste, que acontece de 09 a 11 de setembro, em Belo Horizonte/MG, no Centro Referencial da Juventude. A atividade tem como como lema “Fé que oprime ou Fé que liberta?” e o lemaDesafios contemporâneos e o Amor como critério ético”. Várias organizações, entre elas a Pastoral da Juventude do Regional Leste 2 (MG e ES), participam da promoção do evento.

          Segundo Jonathan Felix, que é facilitador da Rede Ecumênica de Juventude (REJU) de Minas Gerais, a ideia é criar um espaço onde os sagrados dialoguem, já que várias expressões religiosas participarão do encontro. “Por meio de partilhas e vivências de uma mística libertadora que fortaleça nas juventudes um senso de cidadania, compromisso com os movimentos sociais, tendo em vista a construção de um caminho de transformação revolucionária da sociedade, para a garantia de direitos juvenis e a incidência em Políticas Públicas para as Juventudes, faremos debates e experiências com pessoas que fizeram/fazem de sua produção intelectual uma expressão de fé e amor pelos excluídos”, destaca.

          A atividade é uma preparação para o II Encontro Nacional de Juventudes e Espiritualidade Libertadora, que reuniu 400 jovens na primeira edição, realizada em Fortaleza/CE no ano de 2014. O evento contará com a participação de jovens cristãos, judeus, candomblecistas, umbandistas e diversas outras religiões e sem religião.

As vagas são limitadas e a programação pode ser conferida no site: www.espiritualidade2016.com.br

          O Encontro é uma promoção conjunta da Rede Ecumênica da Juventude, Pastoral da Juventude Leste II, CEBI Sudeste, Caritas, Judeus Progressistas e Observatório de Evangelização da PUC Minas.

Arte e Educação Popular – 4º Encontro da Tenda

Destaque

“Bom dia flor Maria, de paz e alegria e um mundo só de amor pra você!”

 

Nos dias 20, 21 e 22/05/2016, 43 jovens estiveram na Tenda de Formação de Lideranças da Juventude dando seguimento ao projeto da Pastoral da Juventude da Região Episcopal Belém em parceria com a BomPar, iniciado em 30/10/2015.

Garantir a formação integral do jovem é sempre um desafio, principalmente quando paramos para pensar o que cada momento vivenciado no final de semana pode provocar no cotidiano e no futuro de cada um.

No primeiro encontro, falamos das relações afetivas e a identidade de gênero; no segundo, trabalhamos a civilização do amor e procuramos reconhecer o nosso horizonte e como queremos construí-lo; no terceiro, o projeto de vida e a sua importância embalou nossa formação e já neste quarto e penúltimo encontro o tema foi: Arte e Educação Popular. Nele reconhecemos a emergente necessidade de questionar o atual modelo de educação, de refletir sobre um novo modelo que garanta a emancipação do indivíduo unida à proposta da sociedade do bem-viver e à economia solidária, além de encontrar mecanismos e conteúdo que contribuem com o despertar do educador popular que existe cada um de nós.

Iniciamos com questionamentos existencialistas: do que somos formados? De onde viemos? Por que tem que ser assim? Para que assim pudéssemos questionar o nosso modelo de educação pública/industrial: a estrutura das escolas e as suas carteiras enfileiradas, a metodologia e a importância dada às individualidades definitivamente não tem nos representado. Por que também não mudar a estrutura do espaço onde iriamos passar o final de semana? Optamos em sentar em roda.

A assessoria, dada pelo professor Antonio Salvador Coelho, nos fez compreender ainda mais o sistema defasado e o que de fato é a educação popular. Além disso, os jogos cooperativos, as cirandas e a música trazidas por ele contribuiu muito com a formação.

Lembramos da nossa infância ao cantar a história da “serpente que desceu do morro para procurar um pedacinho do seu rabo” e ouvimos história populares, destas contadas pelos nossos pais, que também muito nos lembra um tal Jesus, que por toda sua vida sentou para contar parábolas carregadas de lições. Terminamos o sábado com mais uma contação de história, desta vez foi a história da boneca Abayomis (boneca feita por mulheres negras com a barra da saia). Este momento contribuiu para que lembrássemos dos retalhos que compõem a nossa vida.

Entendendo a arte, como principal elemento para garantir uma educação popular colocamos em pratica nossa cultura através das seguintes tendas temáticas: DANÇA, TEATRO, ARTE e CLOWN.

A noite de sábado teve fim com uma noite cultural e apresentação do que vivenciamos durante o dia e uma linda festa junina, depois de termos refletido seu significado folclórico.
IMG-20160522-WA0125

A formação integral do jovem tem suas fases e seus processos. Além do “ser crítico” e “ser criativo” instigados durante a formação, tivemos o domingo para resgatar o “ser cuidante” através do cuidado com a equipe e com a natureza que estamos inseridos.

Mais uma vez, neste final de semana os jovens se entregaram a uma experiência nova, mas cumulativa no projeto da Tenda: o de buscar compreender e se deixar mergulhar nos mistérios da vida.

O próximo encontro já tem tema e data. Virá para inquietar ainda mais o nosso projeto de vida, nossos pré-conceitos, nossos conceitos, nossas ações, nossos sentimentos, nossa solidariedade, nossa cristandade e a nossa vontade de transformar a realidade.
O tema será: Jesus, protagonista dos Direitos Humanos?

É muito bonita a cara, a vontade e a perspectiva da juventude. Que o Projeto da Tenda possa continuar auxiliando os jovens a moldarem seu presente e futuro, com os pés no chão, as mãos na massa e o coração no pobre, no excluído e no marginalizado.

Um outro mundo é possível!

 

 

Equipe de Coordenação

Pastoral da Juventude – Região Belém e BomPar.

Um Projeto de Vida em Jesus Cristo! 3º Encontro da Tenda de Formação de Lideranças

Destaque

IMG_2977

“Contempla de novo o dia que nasce. Deixa que Deus acorde teu sono. Celebra de novo a dança da vida. Deixa teu ser encontrar o Amor

 

Nos dias 18, 19 e 20/03/2016, 33 jovens estiveram na Tenda de Formação de Lideranças da Juventude, dando seguimento ao projeto da Pastoral da Juventude em parceria com a BomPar, iniciado em 30/10/2015.

Pensar a formação integral do jovem, é sempre um desafio, quando paramos para pensar na importância e consequência que os momentos vivenciados podem interferir nas suas relações, no seu cotidiano, no seu futuro.

No primeiro encontro, falamos das relações afetivas. No segundo, trabalhamos a civilização do amor, como horizonte, inspiração e iluminação para pensar o mundo e sociedade que queremos construir.

Neste terceiro encontro, o tema foi: Projeto de Vida! Qual a importância para um jovem, ter um projeto de vida, e ser acompanhado nas suas fases e etapas da vida?

Iniciamos relembrando a infância, como partimos de um sonho (dos nossos pais) por exemplo, e somos um projeto de Deus. Relembramos fatos, sabores, historias, imagens, amigos e brincadeiras da nossa infância. Caminhando sobre nossa própria vida e memoria, fomos desenhando nossa história, customizando nosso calçados com nossos sentimentos, com qual simbolicamente deixamos nossas pegadas no mundo. Fizemos um sarau vermelho! Sim, a cor que representa o coração, a paixão, o amor, o fogo, o martírio, o sangue, a Pastoral da Juventude, a BomPar, o sentimento revolucionário e neste sarau compartilhamos poesia, arte, música, teatro, ideias, histórias, desabafos, e nele crescemos um pouco também.

Refletimos neste final de semana, o que é projeto de vida, sua importância, as etapas e métodos de construção, mas para isso, foi necessário pensar criticamente nossa própria realidade: o chão que pisamos. Por isso, estivemos em tendas temáticas, experimentando, partilhando ideias e sentimentos sobre as dimensões da pessoa humana: 1 – a relação comigo mesmo, 2 – a relação com o Outro, 3 – A relação com o Ecossistema e 4 – a relação com o transcendental. Fomos provocados sobre tantas histórias e vidas de jovens que nos rodeiam, histórias tristes, alegres, inspiradoras… Fomos provocados quanto ao comodismo, hipocrisia, ignorância e relativismo das relações virtuais, líquidas, superficiais e frias que as redes sociais nos condicionam, e como diversos elementos da sociedade atual nos afastam do nosso silêncio, do retiro, do pensar sobre nós mesmos. Fizemos deserto, refletimos o nosso projeto de vida no do jovem Jesus Cristo, e questionamos se nosso projeto, tem como horizonte a civilização do amor, a opção pelos pobres, a busca por uma sociedade mais justa, igualitária. E foi como se perguntar: meu projeto, meus sonhos e planos, geram vida ou morte? Sou protagonista da minha vida? Sou liderança dos meus projetos? Sou sujeito na minha história?

A formação integral do jovem tem suas fases, seus processos… E neste final de semana, os jovens se entregaram a uma experiência nova, mas cumulativa no projeto da Tenda, de buscar compreender, se deixar mergulhar nos mistérios da vida, se fazer perguntas, se plenejar, sonhar, e aspirar um novo mundo.  Todos eles serão acompanhados pessoalmente ou como pastoral, como auxílio na elaboração do projeto de vida, o que pode levar alguns meses, e por isso a equipe de coordenação estará sempre próxima desses jovens.

O próximo encontro, virá para inquietar ainda mais o nosso projeto de vida, nossos pré-conceitos, nossos conceitos, nossas ações, nossos sentimentos, nossa solidariedade, nossa cristandade, nossa vontade de transformar a realidade, esteja o projeto, elaborado ou não. O tema será: Jesus, protagonista dos Direitos Humanos.

É muito bonita a cara, a vontade, a perspectiva da juventude. E é a possibilidade de mudança, de futuro, que nos enche de esperanças. Que o Projeto da Tenda possa continuar auxiliando os jovens a moldarem seu presente e futuro, com os pés no chão, as mãos na massa e o coração no pobre, no excluído e no marginalizado. Um outro mundo é possível!

“Desde o dia em que ao mundo chegamos caminhamos ao rumo do sol
Há mais coisas pra ver mais que a imaginação Muito mais que o tempo permitir
E são tantos caminhos pra se seguir e lugares pra se descobrir e o sol a girar

Sobre o azul deste céu nos mantém neste rio a fluir
É O Ciclo Sem Fim, que nos guiará, a dor e a emoção, pela fé e o amor
até encontrar o nosso caminho neste ciclo, neste ciclo sem fim”

Equipe de Coordenação

Pastoral da Juventude  Região Belém  e BomPar.

Nota sobre o Dia Nacional do Combate a Intolerância Religiosa

Destaque

 logo-PJ1 brasaoArquidioceseSP_2

 

 

 

São Paulo, 21 de janeiro de 2016

 

“Na nova terra os povos todos irmanados
Com sua cultura e direitos respeitados
Farão da vida um bonito amanhecer
Com igualdade no direito de viver”

 

 

Queridos Pejoteiros e Pejoteiras, irmãos na construção da civilização do amor, o reino de justiça é feito quando nós reconhecemos o outro para amá-los! Por isso fazemos a opção por estar ao lado dos pobres, excluídos e marginalizados. Acreditamos que o projeto de Deus não existe apenas para os cristãos, mas para todos que seguem na caminhada para construir um mundo mais justo e fraterno, independentemente de sua fé ou religião, construindo juntos o reino.

Hoje, no DIA NACIONAL DE COMBATE A INTOLERÂNCIA RELIGIOSA, unimos forças com nossos irmãos de outros credos para juntos fazermos uma sociedade sem preconceitos, sem a intolerância e discriminação que divide, destrói e mata. Sem esse ódio que não nos permite reconhecer o outro como irmão, que nos faz ter medo e que por isso nos separa.Nos solidarizamos especialmente com os nossos irmãos e irmãs das religiões de matriz africana que vêm sendo perseguidos em nosso país devido a uma intolerância que é, também, fruto do racismo da nossa sociedade.

Inspirados pelo Moreno de Nazaré, no amor ao próximo e na busca da vida digna e plena, hoje, vestimos branco pela liberdade da fé, vestimos branco por um estado laico de fato, vestimos branco por sermos contra viver o preconceito velado, que se finge de mudo enquanto machuca.Hoje, juntos, vamos caminhar, celebrar, rezar e viver com a certeza de que o que nos une é maior e mais forte do que aquilo que nos separa.

 

Coordenação da Pastoral da Juventude da Arquidiocese de São Paulo.

Uma formação na Tenda do coração da Juventude, sobre relações afetivas…

Destaque

“Aumente o espaço de sua tenda, ligeira estenda a lona,

estique as cordas, finque as estacas.” Is 54,2.

3a626aba-a680-448c-a0ed-b464c2085482

Na chácara, na mística da Manhã, os jovens construíram sua tenda.

Passos à frente para a conclusão do projeto da Tenda de Formação de Lideranças que temos divulgado nas redes e site da Região Belém e Arquidiocese foram dados no último final de semana de 30/10 a 01/11/2015.

Inspirado no projeto ‘Escola de Coordenadores”, realizado em 2013 para jovens apenas da Pastoral da Juventude na região, este foi reformulado para agregar jovens dos diversos cursos em parceria com a Bom Parto, e o resultado não poderia ser diferente: uma igreja em saída, uma juventude em saída, em movimento.

Não foi uma formação de jovens de pastorais, mas de jovens das mais diversas religiões e realidades, de diferentes pontos de vista, de diferentes vontades, de diferentes anseios. Não era mais uma escola para coordenadores, mas um espaço místico, uma Tenda, um cantinho aconchegante de encontro consigo mesmo, com Deus, com os próprios pensamentos. Um espaço de reflexão, de preparo, e de retiro, uma corrida ao encontro de si.

No primeiro encontro, o tema proposto era o de Relações Afetivas. Depois de muitas semanas, de preparação, foram mais de 50 inscritos. Alguns, já tinham se conhecido no pré-encontro, realizado em 17/10/2015 e outros se conheceram somente no último final de semana.

c006590d-10dc-492f-8e73-2bd0720d1d06

Os jovens se conhecem no pré encontro de 17/10/2015.

Falar de relações afetivas com a juventude, não é uma tarefa muito fácil, em uma era do supérfluo, do consumo, do apelo do corpo, em uma sociedade machista, de todos os tipos de preconceitos, principalmente o de classes. Mas nesse final de semana, rompemos algumas barreiras, e retiramos alguns tijolos dos muros que nos cercam, nos fecham e nos impedem de conhecer o outro como é, sem máscaras, sem malícia, de enxerga-lo como um ser humano. Foi um final de semana, para pensar o AMOR.

“Amai-vos uns aos outros, como Eu vos tenho amado” Jo 15,12. O amor ainda é um desafio no nosso tempo, e não é por acaso que é um mandamento universal. Pensar o amor entre a juventude, é tentar afastá-los das segundas intenções, do pensamento estritamente sexual, e dos demais padrões e regras impostos nas diversas relações de poder que somos envolvidos no cotidiano. Neste final de semana, o amor prevaleceu, como irmãos. Os jovens se viram, dançaram, riram, se abraçaram, reconheceram seus próprios preconceitos, compartilharam problemas, segredos e mergulharam no universo particular um do outro, criaram laços que transcendem os olhares maliciosos dos adultos, que ao invés de compreender, de ser ator coadjuvante na construção do ser e orientação dos jovens, são na maioria das vezes, mais alguém que aponta, desacredita, condena e sentencia.

Os jovens, este final de semana, se encontraram com um Deus vivo na sarça-ardente, enfrentaram seus fantasmas, abriram o coração à uma espiritualidade que nos é natural, e aspirando o amor e a liberdade na natureza, na beleza da criação, compreenderam o quão complexa é a vida, as pessoas, suas relações, e o quanto precisam estar sensíveis ao mundo, aos seus semelhantes, aos necessitados, e ao futuro. Saíram, da Chácara Recanto Glória em Santa Isabel, imersos em seus pensamentos, apaixonados pelas novas amizades, ansiosos pelos próximos encontros e principalmente, projetando sonhos e refletindo as pessoas novas que aos poucos estão se tornando,

Estar, ser e permanecer com a juventude é uma tarefa urgente, mas pra poucos. E em tempos tão difíceis, somos também motivados pelo Papa Francisco em sua carta encíclica, Laudato Si, capítulo 5 quanto ao Amor Civil e Político:

  1. 228. O cuidado da natureza faz parte dum estilo de vida que implica capacidade de viver juntos e de comunhão. Jesus lembrou-nos que temos Deus como nosso Pai comum e que isto nos torna irmãos. O amor fraterno só pode ser gratuito, nunca pode ser uma paga a outrem pelo que realizou, nem um adiantamento pelo que esperamos venha a fazer. Por isso, é possível amar os inimigos. Esta mesma gratuidade leva-nos a amar e aceitar o vento, o sol ou as nuvens, embora não se submetam ao nosso controle. Assim podemos falar duma fraternidade universal. 229. É necessário voltar a sentir que precisamos uns dos outros, que temos uma responsabilidade para com os outros e o mundo, que vale a pena ser bons e honestos. Vivemos já muito tempo na degradação moral, baldando-nos à ética, à bondade, à fé, à honestidade; chegou o momento de reconhecer que esta alegre superficialidade de pouco nos serviu. Uma tal destruição de todo o fundamento da vida social acaba por colocar-nos uns contra os outros na defesa dos próprios interesses, provoca o despertar de novas formas de violência e crueldade e impede o desenvolvimento duma verdadeira cultura do cuidado do meio ambiente.

É este o amor que refletimos no final de semana, o fraterno, o de humanos, livres de amarras e preconceitos. Por isso, celebrando o primeiro encontro e nos preparando para o segundo, seguimos firmes no nosso projeto de amar a juventude, guiá-la, cuidá-la e com ela transformar. Agradecemos a todos os envolvidos, as regiões, setores e diversas paróquias que contribuíram e ainda contribuem para a realização da Tenda, especialmente ao nosso querido bispo D. Edmar Perón, pelo cuidado, amor e confiança sempre depositados na juventude.

Abaixo, alguns depoimentos sobre o final de semana, com a cara da nossa juventude:

“Nossa, agr falando um pouco sério rs…  Meu essa tenda foi sensacional pra mim, foi um retiro, encontro etc que me renovou, dizendo aqui eu estava com mto receio em participar, pois achava que não ia gostar que ia ser chato de palestras, mas não, foi extremamente diferente da minha primeira impressão (sim nossa primeira impressão antes de saber como é, sempre é bom ou ruim) continuando… Foi um encontro onde pude conversar com Deus e ver que ele esta preparando algo pra mim.”

“Agradeço de coração a todos aqui, e agradeço ao vini por ter enchido o saco pra eu participar pois ele viu que tenho capacidade para mostrar sempre mais. OBRIGADO TENDA!!!”

“Eu n tava nem um pouco a fim de ir na tenda, meu pai fico enchendo aí eu fui, e digo uma coisa: valeu muito a pena, me renovou, me encheu de novas visoes do mundo e na moral, sem brincadeira, já tô com saudades do povo haha”

“Eu tava com receio de ir, e nessa de receio acabei indo por “ah, é um role. Mudei completamente a ideia só pela hora que cheguei e fui mt bem recebida. Adorei conhecer vcs, me senti renovada, e com mais forças! Já to com sdds de furtar comida e ir dormir tarde (kkk )”

“Agora dia 28 de Janeiro, é nois dnv ”

“ Eu estava com receio também, mas assim que cheguei fui tão recebida e senti que ali muita coisa iria mudar e realmente mudou e pra melhor! Cada risada, cada aprendizado eu vou lembrar pra sempre e vocês tambem! E vemmm dia 28 de Janeiro ”

“Aí gente também eu fui mas pensando aí gente o que vai acontecer o que cera que vai ter lá quem vai será que eu vou me intumar lá já tava parando um filme na minha cabeça mas foi tudo bom amei gostei de verdade conhecer vcs gente estourou bem subtenente sobre vcs da ora brincalhão amei vcs aí verdades não vejo a hora de outros encontros”

E que a nossa loucura por um novo mundo seja perdoada, porque amando-nos, contemplamos a face do próximo, do Cristo Vivo, caminhando juntos pela civilização do amor.

Com amor,

Mylenna Souza Lirio –

Equipe de Comunicação

​T​enda de Formação de Lideranças

Região Belém abre inscrições para formação de lideranças

Destaque

              TENDA LOGO

O PROJETO TENDA te convida a mergulhar em uma sequência de encontros que podem ser contemplados, vividos e experimentados, com a finalidade de refletir o Seu Projeto de Vida e o caminho percorrido entre o ser e o querer-ser.

Reflexão, estudo, trabalho em grupo, celebração e partilha a respeito das relações que somos chamados a construir conosco. Este é o convite que a Pastoral da Juventude da Região Belém, junto ao Centro Social Nossa Senhora do Bom Parto faz para você.

O seu sim é um sim à muita coisa boa!

O seu sim se compromete com a participação em 5 encontrões, em retiro dos seguintes temas:

Relações afetivas (31/10 á 01/11/2015)

Civilização do amor (30 e 31/01/2016)

Projeto de Vida (18 a 20/03/2016)

Arte na educação popular (20 a 22/05/2016)

Jesus, protagonista dos Direitos Humanos? (05 a 07/08/2016)

Para participar basta ser jovem e residir no território da Região Episcopal Belém, faça sua inscrição clicando aqui e aguarde a equipe entrar em contato, pois as vagas são limitadas!

Borandá 2017: O que significa ser jovem no Brasil hoje?

           Nos dias 17, 18 e 19 de Março, o Anchietanum, recebe o Borandá 2017. Partindo da tríade Educação, Cultura e Direitos Humanos, pretendemos organizar um curso de imersão sobre as atuais condições das juventudes no Brasil, com a temática “O que significa ser jovem no Brasil hoje?”.
Direccionado a Estudantes do ensino superior; estudantes em fase de conclusão do ensino médio; representantes de movimentos sociais; educadores e demais interessados.

*INSCRIÇÕES*
https://gruposenso.wordpress.com/
Borandá

Região Santana realiza formação CF 2017

É com grande prazer que a Pastoral da Juventude da região Santana convida a juventude da região a construírem conosco mais uma Campanha da Fraternidade! Nesse ano de 2017 a campanha continua a tratar do nosso Meio Ambiente e Sociedade, desta vez com o Tema: Biomas Brasileiros e defesa da Vida.

Quando? 05/03 às 8hs
Onde? Av. Mal. Euríco Gáspar Dutra, 1853 – Santana

Bora Juventude! Venha construir a rede conosco!

Inscriçãohttps://goo.gl/forms/2u5q03ifzVrVDXWb2pin

CARTAZ FORMAÇÃO DA CF REGIÃO SANTANA