São Paulo, 15 de março de 2018.
             A Pastoral da Juventude da Arquidiocese de São Paulo, com extremo pesar e incalculável indignação vem à público expressar seu repúdio ao assassinato da Vereadora Marielle Franco e seu motorista, Anderson Pedro Gomes.
             Porque refletimos em ordem nacional nesta Quaresma, a Campanha da Fraternidade pela Superação de todas as formas de violência, rogamos a todos os nossos companheirxs e à igreja que não nos deixemos enganar. A violência também está em casa, nas nossas palavras e ações. Mas a omissão e o silêncio, também são formas de violência. Não sejamos violentos! “Como calar se Tua voz arde em meu peito? ”
             Porque já tivemos campanhas nacionais e mantemos nossa luta contra o extermínio da juventude, porque expressamos nas rodas de conversa e discussões sobre a Campanha da Fraternidade o inegável genocídio da população negra deste país, perpetrado pelo Poder e pela mão muito bem visível do mercado que sangra nossa sociedade com tamanha desigualdade social e perda diária de direitos.
             Porque temos visto sequenciais ações políticas de retrocesso a tantas lutas sociais que sempre estivemos presentes (que não abandonaremos jamais), ações que atentam contra a vida da população, este povo oprimido, excluído e “cortado na carne. E quem nos corta, são os privilegiados, são os poderosos!
             Porque seguimos um Cristo perseguido e assassinado pelos poderosos, assassinado porque não se calou e enfrentou as estruturas vigentes. Somos nós que escrevemos a continuidade do seu Evangelho, e o povo segue sendo oprimido! O que temos que fazer? Como construímos Seu Reino de Fraternidade e a Civilização do amor? Como fazemos florescer uma nova civilização, como um novo Sol se levantará?
             Este ano, destacamos como prioridade a Defesa da Vida das Mulheres. Basta de Feminicídio! Quantas ainda serão assassinadas e violentadas pelo ódio, por exigirem vez, voz e lugar e lutar pela vida em plenitude de seu povo? São muitas as mulheres que intercedem por nós em seu protagonismo e luta diária. Marielle lutou pelas mulheres, pelo povo favelado, pelo povo negro, pelos desfavorecidos, para que tivessem voz, vez, dignidade, direitos, vida em plenitude. Marielle nos lembra Ester, porque também rogou pelo povo. “ (…) concede-me a vida, eis o meu pedido; salva o meu povo, eis o meu desejo”. Es 7,3. E Marielle, foi assassinada ao lançar-se em nossa defesa.
             Nessa luta pelo povo os corpos das mulheres são violados deixando de mãos erguidas e rosto ensanguentado como o da professora Luciana Xavier agredida na quarta-feira, numa sessão da Comissão de Constituição e Justiça, por defender os direitos e protestar contra o projeto de reforma da Previdência municipal, que aumenta a contribuição das/os servidoras/es públicos.
             Diante de tamanhas preocupações, rezemos juntos como igreja nossas prioridades, nessa Campanha da Fraternidade que nos encaminha a mais uma Páscoa. Qual é a vida em plenitude que rezamos, cantamos, agimos e fazemos pelo nosso povo? Como caminhamos juntos?
             Em nossa ousadia de resistir, de não se calar, de vir para incomodar, damos nossas mãos em oração e solidariedade a todos que sofrem neste momento por tão cruel, trágica e ilógica ação fascista. Por isso chamamos a todas e todos para um ato em homenagem e protesto, nesta quinta às 17h, no vão livre do MASP, na avenida Paulista. As nossas vidas jamais serão em vão! “Bem-aventurados os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o Reino dos Céus! ” Mt 5, 10.
“Perdoa-nos quando por medo ficamos calados diante da morte. Perdoa e destrói os reinos 
em que a corrupção é a lei mais forte!Protege-nos da crueldade, do esquadrão da morte,
dos prevalecidos Pai nosso revolucionário, parceiro dos pobres, Deus dos oprimidos!
Pai nosso revolucionário, dos pobres, Deus dos oprimidos! ”
Vidas pelo Reino! Marielle presente!
Equipe de Coordenação da Pastoral da Juventude – Arquidiocese de São Paulo Conselheira Municipal da Juventude pela cadeira de Diversidade Religiosa – Mylenna Souza Lirio e suplente Dyego Servolo